Posted tagged ‘assassinato’

Somos assassinos

3 de março de 2017
Somos uma nação de assassinos. É necessário, mais do que nunca, assumirmos nossas características básicas, deixar nos esconder em palavras bonitas ou sentimentos nobres, parar de hipocrisia (aliás, perceber-se o quanto se é hipócrita), se quisermos realmente modificar alguma coisa desse mundo que nos rodeia, ou esse mundo que somos cada um de nós.

Somos uma nação de assassinos. Idolatramos o ódio, somos uma nação fundada pelo ódio, pela prepotência, pelo extermínio de populações, pela cultura da exploração, do roubo, da miséria moral, somos cria e resultado de uma sociedade calcada na escravidão e só isso já diz tudo. Admiramos os que conseguiram ‘vencer na vida’ e, quase sempre, são os agressivos, os que se impõem, os que se colocam melhor do que os demais e, mesmo quando caem (são presos ou , no mínimo, intimidados) ressurgem, re/batizados.

Somos uma nação de assassinos. Racistas. Machistas. Misóginos. Homofóbicos. Arrogantes. Prepotentes (ou com toda a propensão, todo o desejo, de pisar). Somos uma nação onde um segurança do Habib’s mata um garoto negro com um soco e não há uma comoção social. Onde um criminoso psicopata assassino condenado é solto e imediatamente colocado como uma espécie de ‘herói’ nacional. Ídolo. Condenado por matar, trucidar, e enterrar a mulher. Ídolo! Onde a máfia definitivamente se instalou no poder, de onde, na verdade, nunca tinha saído; a diferença é que agora perdeu a vergonha, as estribeiras e qualquer pose de moralidade ou desculpinha básica. Não é mais necessário se esconder.

Somos uma nação de assassinos. Onde uma barragem se quebra, mata pessoas, mata rios, mata trabalhos, mata cidades, e tudo bem. Onde os negros, os jovens, os pobres são mortos diariamente, diariamente!, repetidamente, em chacinas diárias repetidamente, e tudo bem. Onde as mulheres são rebaixadas, reprimidas, caladas, estupradas, violentadas, agredidas, diariamente, minutamente, repetidamente, e tudo bem.

Somos uma nação de assassinos. O grande choque não é perceber que os Brunos surgem (e, camaradas, estamos entupidos de Brunos nessa nossa nação, agindo, estuprando e matando, em todas as classes sociais, em todos os níveis, inclusive em todas as ideologias políticas). A questão é que eles não são a exceção. São a regra. São a norma. São o comum. São o cotidiano. E estamos repletos de cotidiano. Não nos importamos mais. Não vale mais a pena. Como se algum dia tivesse valido.

Somos assassinos. Racistas. Machistas. Podemos não levantar uma mão e nos dizermos limpos. Podemos não abrir a boca e nos dizermos limpos. Podemos não olhar, fingir que não vemos, e nos dizermos limpos. Mas é justamente nisso que os assassinos de pleno fato se apoiam. Pois ao não falarmos, ao não agirmos, ao não observarmos, simplesmente nos colocamos no mesmo patamar. Estamos todos no mesmo nível. E, convenhamos, há tantas formas de matar. Tantos modos de humilhar. Tantas maneiras de destruir.

Somos uma nação de assassinos. Mas podemos mudar. Ainda acredito nisso. Mas a operação é profunda, mais dolorida, mais impactante, do que nossa pretensa sobriedade pode recear. Pois não é uma simples doença, com alguns comprimidos a curar. Não são somente alguns doentes excepcionais, incomuns, a se tratar. A faca tem que cortar, fundo e extensamente. Mas qualquer dia, a qualquer momento, a operação será obrigatória e inevitável. Se ainda quisermos nos chamar de ‘seres humanos’

0

Anúncios

Como se não houvesse pena de morte no Brasil…

20 de janeiro de 2015

10649941_1599821946903883_2920484740209209643_n

 

Quem diz que no Brasil não há pena de morte é tremendamente (absurdamente) ingênuo ou criminosamente hipócrita. No Brasil, ela corre solta, impera, é executada vezes por dia (ou à noite). Bate recordes internacionais (Tem alguém que ainda não saiba que a Polícia brasileira é uma das forças de repressão mais assassinas do mundo? E das que mais morre, inclusive).

Estamos em uma plena guerra civil não declarada, mas presente, concreta, objetiva. As balas voam. Só não está colocada em letras no Código Penal, mas quem liga para isso? Quem fica indignado ou consternado? Rasga-se a democracia, mata-se Pessoas. Quem fica indignado ou consternado? Pena de morte, maioridade penal, presunção de culpa, é toda a nossa realidade. Quem fica indignado ou consternado? Não está na letra, está na prática, está nas mortes cotidianas, está na cor da pele dessas mortes. QUEM FICA PENALIZADO OU CONSTERNADO COM A PENA DE MORTE QUE É PRATICADA CONSTANTEMENTE NO BRASIL?

 

ACUSADO: Patrick Ferreira Queiroz, 11 anos

ACUSAÇÃO: Tráfico de drogas

INVESTIGAÇÃO: era negro

INVESTIGAÇÃO: era de menor (pivete, portanto) (e negro)

INVESTIGAÇÃO: sem grande necessidade, todos ‘sabiam’ que era traficante

PRISÃO: Para quê? Com que fim? Não ia adiantar mesmo.

JULGAMENTO: Para quê? Era culpado.

PROVA: carregava uma arma (‘disseram’) (só não estava do lado do corpo quando chegou o delegado, mas isso é um detalhe, certo?)

PROVA: era negro

SENTENÇA: MORTE

EXECUÇÃO: Sumária

MÉTODO: três balas pelas costas