O Estado Fundamental de Adriana Brunstein

 

ontem eu dei de cara com o steven seagal. não foi nada premeditado, eu só tava tentando colocar algumas coisas no lugar, parear umas meias e dar uma arejada no quarto. foi aí que ele entrou. veja que toda premeditação foi por parte dele. é impressionantemente contraditória a nossa falta de ação quando dá de cara com o steven seagal. eu nunca fui lá muito fã do cara, a única coisa que dediquei a ele nesse tempo foi a tecla de canais do controle remoto. perguntei como havia sido a temporada dele no japão e como ele tinha se safado daquele processo por ter matado um cachorro num reality show. ele ficou bem puto nessa hora. quer dizer, eu acho que ficou. a cara dele não mudou muito. mas ter bom senso em conversas improvisadas nunca foi meu forte. aí fui comentar a última luta daquele programa do belfort, um tal de bodão ganhou. e eu dizia: big goat, man. aí a coisa fedeu de vez. reality show definitivamente é assunto proibitivo quando você dá de cara com o steven seagal. pedi água. bati três vezes a mão no chão e ele me olhou com desprezo quando disse, volta a sonhar, garota. e saiu. pela mesma janela que entrou. quando o perdi de vista gritei: sabe como é gaivota em inglês? é seagull. panaca.

 

 

hoje eu tô usando a camiseta daquele filme com o de niro e imaginando o tal segurança que deu calote nas putas colombianas comendo a sarah palin. comendo mesmo. tipo pagando duzentos dólares pra vendar aquele puritanismo todo que ela traça com granola toda manhã. isso me enoja. granola, quero dizer. ela jogava leite desnatado na porra da granola porque não gostava do barulho de coisas crocantes sendo mastigadas. dizia que ecoava na cabeça dela. não, não a sarah. o mais perto que eu cheguei do alaska foi essa garota. ela tinha uma mancha na planta do pé e uma tia que testemunhou a aparição da nossa senhora numa torrada. aí ela entrou numas de álcool gel e sexo com assepsia. cara, eu te juro que teria muito mais tesão trepando com uma garrafa de vodka. arriscando até ser ciruncidado por um caco de vidro. só pra sujar aquele lençol anti-ácaro com minhas hemácias podres. ela que me ensinou isso do sangue ter hemácias. e umas duas outras coisas também. mas sabe como é, minha memória tá fazendo serenata em outro lugar. e eu tô aqui limpando sujeira das unhas da minha mão com um palito pra bater uma. não, não tô pensando nela. sério mesmo. se tivesse eu até te diria que ela era a cara da putinha do taxi driver. esqueci o nome da atriz, mas anos depois ela se meteu a desvendar mente de psicopata. faz frio pra cacete no alaska, né não?

Considere-se que estes textos são do blog de Adriana Brunstein PONTADA NO APÊNDICE 

Considere-se que ‘ESTADO FUNDAMENTAL’, é seu primeiro livro, está sendo publicado pela PANELINHA BOOKS, e será lançado agora, dia 28 de maio, segunda-feira, na MERCEARIA (Rua Rodésia, 34 – Vila Madalena)

Considere-se que CLAUDINEI VIEIRA sente-se desconcertado, emocionado, impactado e envolvido pela força da escrita desta mulher.

 

 

Explore posts in the same categories: Desconcertos

Tags: , , , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s