Notas de um brasil racista: evolução étnica

Em 1972, começou a circular a cédula de 500 cruzeiros, com o tema ‘integração nacional’, comemorativa da independência brasileira. De um lado, a integração geográfica e histórica, com pequenos quadros ilustrativos que começam pela ‘descoberta’, o comércio (com os índios derrubando árvores, imagino que pau-brasil; o interessante aqui é terem deixado de lado o comércio de escravos), passam pela colonização, independência e por final a tal integração.

O outro lado da cédula retrata a integração racial. Rostos perfilados, recortados, partem do perfil de um negro, e terminam com um caucasiano, de frente, franco, e por completo, ocupando o maior espaço. Os rostos não são exemplos da população brasileira: é uma tese. Demonstra o desenvolvimento da ‘raça’ brasileira, o seu ‘futuro’, o refinamento. A evolução racial.

A denominação oficial da cédula : do verso, dos quadros históricos, “Sequência de cartas geográficas históricas do Brasil”. Da frente, dos rostos: “Evolução da Etnia Brasileira”

No país do racismo ‘cordial’ e velado, não lembro de uma tomada de posição pelo governo de uma eugenia  tão explicita e assumida, mesmo durante a ditadura.

A cédula ficou em circulação durante quinze anos.

 

 

 

 

Anúncios
Explore posts in the same categories: Sem categoria

Tags: , , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

One Comment em “Notas de um brasil racista: evolução étnica”

  1. Henrique Says:

    Olá. A idéia dessa nota é mostrar as diversas etnias que formaram o brasileiro atual na ordem de chegada ao Brasil. O primeiro é um índio, depois um português, depois um negro, o quarto eu não sei, e o último é o Brasileiro (por isso que está em destaque). Talvez o termo “evolução étnica” pareça meio bizarro para gente, mas acho que a idéia não era nada racista, era de mostrar a miscigenação que deu origem ao brasileiro.

    Claro que sempre é possível fazer críticas, por exemplo o brasileiro final talvez tenha ficado com traços muito mais europeus do que o brasileiro médio, etc etc.

    Mas enfim, a idéia em si não me parece racista.

    Curtir


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s